Serviços e especialidades

Doenças periodontais

O que é a Gengivite? O que é a Doença Periodontal?

As doenças periodontais, vulgarmente conhecidas como doenças das gengivas, constituem um conjunto de patologias que enquadram a gengivite e a periodontite, ou “piorreia”.

Numa primeira fase, as bactérias causam apenas inflamação da gengiva e consequentemente uma gengivite, uma patologia reversível. Se esta situação inicial não for resolvida as bactérias podem também atingir o osso e, nessa altura, causar uma periodontite. Esta situação conduz a uma perda de suporte do dente, com a sua consequente mobilidade e, em casos mais severos, perda do dente. A Doença Periodontal poderá também provocar possíveis alterações inflamatórias em todo o organismo.

Algo mais sobre a doença periodontal...

  • Afeta grande parte da população e é responsável pela maior parte da perda de dentes em doentes adultos;
  • Pode afetar e prejudicar todo o organismo (por exemplo, favorecer os acidentes cardiovasculares ou descompensando os valores da glicémia nos diabéticos);
  • É perfeitamente curável mas é difícil a recuperação do osso perdido, pelo que o tempo é sempre um fator importante a ter em conta;
  • Um tratamento realizado atempadamente é sempre um tratamento mais simples.

SINAIS E SINTOMAS

Os sintomas são claros e não devem passar despercebidos:

  • Vermelhidão das gengivas;
  • Hemorragia das gengivas durante a escovagem (a hemorragia das gengivas poderá ser um sinal de inflamação e doença);
  • Recessão das gengivas com sensação de dentes mais compridos;
  • Aumento da sensibilidade dentária ao frio ou ao quente;
  • Aparecimento de abcessos gengivais;
  • Mobilidade e alterações na posição dos dentes;
  • Mau hálito persistente.

A Academia Americana de Periodontologia desenvolveu um teste de avaliação do risco para a doença periodontal que poderá ajuda-lo a saber se está em risco de ter ou de vir a desenvolver esta patologia.

FACTORES DE RISCO

A principal causa para as Doenças Periodontais é a placa bacteriana. No entanto, existem outros fatores que poderão afetar as suas gengivas.

TABACO

O tabaco está associado a várias doenças tais como: cancro, doença pulmonar, doença cardíaca e outros problemas de saúde. Os indivíduos fumadores possuem um risco aumentado para doença periodontal. Existem vários estudos científicos que demonstram que o tabaco é um dos fatores de risco mais importante no desenvolvimento e progressão da doença periodontal.

GENÉTICA

Vários estudos científicos demonstram que alguns doentes apresentam uma suscetibilidade genética para a doença periodontal. Mesmo tendo excelentes hábitos de higiene oral, estes doentes apresentam uma maior tendência para o desenvolvimento desta patologia. A identificação deste tipo de doente com um teste genético, muitas vezes antes do diagnóstico da doença, poderá ser benéfico. A intervenção precoce poderá ajudar a manter os seus dentes por um longo período de tempo.

STRESS

O stress está associado a várias doenças como a hipertensão arterial, cancro e outros problemas de saúde. O stress também é considerado um fator de risco para a doença periodontal, uma vez que dificulta o nosso organismo no combate a uma infeção, incluindo as doenças periodontais.

MEDICAÇÃO

Determinados medicamentos como os contracetivos orais, anti-depressivos e alguns medicamentos para o coração, podem afetar a sua saúde oral. É importante dizer ao seu Periodontologista qual a medicação que está a fazer.

RANGER / APERTAR OS DENTES

O hábito de ranger ou apertar vai fazer com que existam forças excessivas não só sobre os dentes, mas também nos tecidos de suporte. Este hábito parafuncional poderá aumentar a rapidez com que estes tecidos são destruídos em doentes com doença periodontal.

DOENÇAS SISTÉMICAS

Existem determinadas doenças sistémicas que interferem com o sistema inflamatório do nosso organismo e poderão piorar o estado das nossas gengivas. Estas doenças são a doença cardiovascular, diabetes e artrite reumatóide.

DIABETES

Os doentes com diabetes possuem maior probabilidade de ter doença periodontal do que doentes sem diabetes, uma vez que têm uma maior suscetibilidade a infeções. Muitas vezes a doença periodontal é considerada uma complicação major da diabetes, principalmente em doentes não controlados. A Diabetes afeta a doença periodontal, mas doença periodontal também afeta a Diabetes, uma vez que doentes diabéticos têm uma maior dificuldade em controlar os níveis de açúcar na corrente sanguínea. Existem vários estudos sugerem que o tratamento da doença periodontal poderá ajudar no controlo da diabetes.

GRAVIDEZ E PUBERDADE

Ao longo da vida de uma mulher existem fases de alterações hormonais (puberdade, menopausa, menstruação e gravidez). Estas alterações hormonais poderão afetar os vários tecidos no corpo da mulher, incluindo as gengivas. O tecido gengival torna-se mais sensível e por vezes reage intensamente a flutuações hormonais. Alguns estudos recentes sugerem que uma mulher grávida com doença periodontal tem sete vezes mais probabilidade de ter um parto prematuro e/ou recém nascidos de baixo peso, do que mulheres sem doença periodontal.

TRATAMENTO

Há apenas uma atitude correta perante os sintomas. A primeira atitude deve ser considerar que estamos perante um problema dentário muito sério, mas que tem solução e quanto mais rápida for a consulta com o Periodontologista mais eficaz será.

Um detalhado exame clínico, radiográfico e muitas vezes microbiológico, fornece a informação necessária para desenvolver um tratamento específico e eficaz.

Uma vez diagnosticada a gengivite ou a periodontite, é realizado um tratamento de descontaminação das raízes e eliminação da placa bacteriana e tártaro. Em situações mais avançadas pode ser necessário realizar pequenos atos cirúrgicos, para poder aceder à superfície das raízes que se encontram abaixo do nível da gengiva. As novas técnicas cirúrgicas permitem um tratamento mais preciso, conservador e regenerador, sendo o processo de cicatrização e eliminação da doença mais rápido e eficaz.

MANUTENÇÃO PERIODONTAL

Após o restabelecimento da saúde periodontal é muito importante a sua manutenção. A periodicidade das consultas de manutenção periodontal será determinada pelo Periodontologista, tendo um intervalo máximo de 4 meses.

Os pacientes que apresentam, ou que já apresentaram este tipo de doença, são suscetíveis de voltar a apresentá-la, por isso é fundamental o acompanhamento por clínicos diferenciados nesta área para a realização de consultas de controlo, que evitem que o problema reapareça.

A melhor maneira de prevenir a doença nas gengivas é através de uma boa higiene oral e um acompanhamento periódico com o seu Periodontologista ou Higienista oral.
 

FAQS

É normal sangrar das gengivas?

Não, não é normal sangrar das gengivas. A acumulação de placa bacteriana e tártaro em redor dos dentes desenvolve, inicialmente, uma irritação e uma inflamação das gengivas (gengivite), causando em algumas situações sangramento durante a escovagem dos dentes. A intervenção por parte do Periodontologista nesta fase é de extrema importância, pois a gengivite é reversível. Se esta situação inicial não for tratada, as bactérias podem também atingir o osso que suporta os dentes e, nessa altura, causar uma periodontite. Neste caso, ocorre a reabsorção do osso de suporte dos dentes e estes poderão adquirir mobilidade.

O que devo fazer se perder um dente?

A periodontite leva à destruição do osso dos maxilares, pelo que tem como consequência mais evidente a perda de dentes. No entanto, um controlo adequado com o seu Periodontologista poderá evitar esta situação. Felizmente, a perda de dentes pode ser solucionada com a colocação de implantes dentários. Trata-se de uma técnica que consiste na colocação de raízes artificiais em titânio que são implantadas nos ossos maxilares, permitindo suportar um ou vários dentes. A colocação de implantes dentários pode ser realizada com um pós-operatório simples e praticamente impercetível. As técnicas atuais de manipulação dos tecidos, não só diminuem os problemas pós-operatórios como também permitem uma taxa de sucesso superior a 97%. O resultado estético e funcional é excelente.

É normal a gengiva estar a encolher e as raízes dos dentes ficarem mais expostas?

Não. O facto de ter a sensação que a gengiva está a encolher poderá ser: um sinal de doença, excesso de escovagem dentária ou simplesmente envelhecimento. O Instituto de Implantologia terá todo o gosto em recebê-lo de forma a diagnosticar a causa do seu problema e sugerir o tratamento adequado se necessário. O objetivo do tratamento é parar a recessão gengival e em alguns casos revertê-la, com a ajuda de uma cirurgia de recobrimento radicular.

© 2020 Instituto de Implantologia. Todos os direitos reservados.
Scroll para
ver mais